Contato : +33 (0)4 42 26 40 34 WhatsApp : +33 (0)6 09 01 49 97

Quem são os brasileiros com quem convivo no sul da França?

Laura e Alvim foram os dois brasileiros que conheci assim que cheguei na França. Ela dava aulas de português para o Nicolas (que ele abandonou assim que desembarquei de mala e cuia) e Alvim – que estava na França fazendo um PHD em transporte de gás – era uma espécie de «Embaixador do Brasil». Eles conheciam TODO MUNDO e foi através deles que aumentei o número de brasileiros entre os meus contatos. Sempre que encontrava um brasileiro Laura passava o meu telefone, foi assim que fiquei conhecendo a Rosinete em 2005, recém-chegada da Alemanha, onde ela morou por um ano. A aventura estrangeira da Rosinete começou em 1998 quando ela foi para a Inglaterra trabalhar para uma família de diplomatas. Foi em uma cidade do interior do país, durante um curso de salsa, que ela conheceu o francês Ludovic. O Alvim tinha a mesma tática da Laura, era brasileira? “Pas de problème: anota o telefone da Ana”. Desse jeito entrei em contato com a Letícia, que já tinha ouvido falar da Sônia, que conhecia a Danielle, que me apresentou a Anne Sybille, que era amiga da Ana Carolina. Em seguida, a Cris entrou no grupo depois de dez anos morando nos Estados Unidos. Para começo de conversa tínhamos duas coisas em comum: éramos brasileiras e os nossos maridos franceses. Para uma parte do grupo o tempo trouxe a distância. Depois de terminar um mestrado em direito e conseguir um emprego no departamento jurídico da L’Occitane a advogada Letícia se mudou para a montanha. A sempre-indisponível-Sônia sumiu do mapa. A Laura e o Alvim voltaram para o Brasil deixando saudades. Para os que decidiram ficar os laços foram se estreitando: a Rosinete me ajudou várias vezes cuidando da Chloé quando estava fazendo os estágios, a Cris foi se aproximando trazendo com ela os três filhos lindos, no ano passado Danielle foi a minha madrinha de casamento e a Anne Sybille e a Ana Carolina vejo com freqüência nas festas que fazemos regularmente. Neste fim de semana, por exemplo, nos reunimos para o chá de bebê da Rosinete que espera o segundo filho. Este costume não existe na França, normalmente as francesas guardam segredo até o terceiro mês da gravidez – mesmo para a família – e só começam a fazer o enxoval às vésperas do parto. Relembrar os hábitos brasileiros e falar sem se preocupar com os erros de gramática são apenas dois dos melhores motivos para nos encontrarmos, também poderia citar os brigadeiros e as empadinhas da Nete, ou ainda, ver nossos maridos e filhos soltando o verbo na língua de Camões. Também é um prazer ver brasileiras que saíram do país por diferentes motivos – estudo, marido, trabalho – estarem com os papéis em dia, tenham ingressado no mercado de trabalho, se tornaram proprietárias e estejam vivendo bem e normalmente. Depois de quatro anos vivendo por aqui cruzei com muitos turistas brasileiros no museu onde trabalho, na rua, em lojas. Com alguns troquei o mail e recebi belas fotos para guardar de lembrança. Com outros, a conversa foi rápida, dei algumas dicas e a vida continuou. Sempre é uma boa surpresa encontrar com brasileiros, mas é ainda melhor descobrir que eles moram por perto, nesse caso faço como a Laura e o Alvim, troco os telefones e dou o primeiro passo. Foi assim com a Carmen e o Alberto. Nos encontramos na mesma escola de francês, e hoje, o casal carioca mora alguns meses aqui e outros no Rio, onde estão os filhos e os netos e de onde eles trazem feijoadas deliciosas. Fazendo um balanço, tenho certeza de que a nacionalidade nos aproxima, mas são os gostos, as semelhanças, as prioridades, a certeza de que podemos contar com elas e uma energia em especial que vão fazer com que essas pessoas entrem definitivamente na nossa vida, sejam brasileiras ou não.

Procurando hospedagem ? 

Clique aqui e veja com quem trabalhamos: Booking. 

A nossa assessoria é gratuita para todos os clientes que optam por se hospedar com os nossos parceiros. Além de contar com a consultoria de quem conhece e mora na Provence, você não paga mais nem um centavo por isso.

Aguardamos o seu mail caso tenha alguma dúvida de como funciona o nosso serviço: site@naprovence.com.

Tags:, ,

One Reply to “Quem são os brasileiros com quem convivo no sul da França?”

Maria José
30 julho 2013
Oi tudo bem? Minha filha vai para frança fazer mestrado em direito, próximo a Marselha, sul da França, parece ser uma cidade pequena. Estamos tentando um lugar para ela morar, ou pelo menos poder chegar, não conhecemos ninguém. Se você conhecer algum lugar que recebe estudante, alberg, casa de famíia, será que poderia passar nosso contato? Ela deve esta na França no dia 27/0/2013. Nosso contato: mj.delima62@gmail.com Grata. Maria José
Responder

Deixe um comentário

Nota: Os comentários no site refletem as opiniões de seus autores, e não necessariamente as opiniões do portal de internet NaProvence. Você deve abster-se de insultos, palavrões e expressões vulgares. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário sem aviso prévio ou explicações.

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são assinados com *