Contato : +33 (0)4 42 26 40 34 WhatsApp : +33 (0)6 09 01 49 97

Mousse de alface, folhado de chocolate caramelizado e outras loucuras gustativas do restaurante Pierre Reboul.

 

A idéia foi da Rachel Verano, do blog Viajar Bem e Barato, amiga brasileira e jornalista, que estava recendo a família e um amigo em Aix : experimentar o restaurante Pierre Reboul (uma estrela no Guide Michelin). E lá fomos nós, depois de deixar as crianças com a avó, acompanhá-los nessa descoberta. Escondido entre uma rua estreita que liga a praça do Palais de Justice ao Cours Mirabeau, o restaurante é moderno com uma decoração contemporânea, sem excessos nem muita criatividade. Mas se isso faltou na sala, sobrou na mesa. Apenas três menus são propostos, de 39€, 78€ e 120€, respectivamente. O primeiro, escolhido pelo grupo – é para quem quer começar a conhecer esse universo estrelado da culinária de alto nível, o segundo o mais parecido com um jantar e o terceiro, o mais caro – uma lista enorme e com certeza para quem não fala francês – intermínavel de nomes esquisitos em uma série de mini pratos para “experimentar”. E não é à toa que insisto nesse verbo. A primeira dica antes de entrar em um restaurante como esse é: esqueça que saiu para jantar ou comer. Esses verbos mundados, corriqueiros, não devem ser empregados nesse tipo de lugar. E isso a gente percebe com a chegada do que parece ser um couvert – e você vai ver que quase tudo parece alguma coisa – mas no fundo é outra : bolas de ervilha cobertas com uma membrana com aparência e textura de gema de ovo (amei !), foie gras cor de rosa servido dentro de um tubo de batom – funcionava exatamente do mesmo jeito (se você é um homem peça a sua companheira para mostrar), um folhado também de foie gras com chocolate, de matar de bom. A festa para o paladar continua com a entrada: caviar de melão servido com presunto e sorvete com licor. Tudo fofinho, bonitinho, gostosinho e…pequenininho. O primeiro “prato principal” segue a mesma orientação: um mini-hamburguer com molho apimentado de cenoura, uma “mousse” de salada servida em uma tacinha de cachaça e batata crocante. Confesso que nem com a explicação do garçon antes de cada sequência pude descobrir exatamente o que estava comendo. Alguns sabores eram – óbvio – conhecidos, como a cenoura, a carne e as cascas de limão crocantes servidas com a batata. Mas aquele toque doce aqui e ali dentro do “hamburguer”, impossível de definir, apesar de muito bom. O segundo prato foi mais evidente: um peixe-delicioso-no-ponto-salgadinho-tudo-de-bom, acompanhado por uma sopa transparente com quadradinhos de presunto, lentilhas e salsinha, bonita como um aquário. A conversa segue seu rumo entre um sabor e outro adocicada pelo vilho rosé Mas Négrel. E finalmente chega a sobremesa: com o formato de uma “barra de cereal” pistache crocante com recheio cremoso de framboesa acompanhado de uma mistura interessante de queijo fresco com baunilha. A noite termina da mesma maneira agradável que começou com comentários sobre o que acabamos de “experimentar”. Gostei muito de tudo o que foi servido, Nicolas concordou comigo que a experiência foi muito interessante e ficou com vontade de repeti-la, sem deixar de acrescentar que “felizmente tinha comido na casa da Nete”, amiga brasileira que festeja os aniversários dos filhos como….uma brasileira, e onde no lugar da criatividade está a fartura da cozinha verde e amarela em uma abundância de risoles, empadas, salpicão, brigadeiros…Por falar em tradição, devo voltar à conta do restaurante : pagamos 6,50€ por cada uma das garrafas d’água, o que estranhei muito já que as garrafas com água são gratuitas nos restaurantes franceses. Só pagamos pela água quando ela vem em bouteille, como a Evian ou a Perrier. Rachel, que chegou antes, me explicou que o restaurante produz e vende a própria água e por isso cobra. Fazer o quê, né? Ainda bem que aproveitamos cada minuto – e gotinha – sem medo de ser feliz.

Procurando hospedagem ? 

Clique aqui e veja com quem trabalhamos: Booking. 

A nossa assessoria é gratuita para todos os clientes que optam por se hospedar com os nossos parceiros. Além de contar com a consultoria de quem conhece e mora na Provence, você não paga mais nem um centavo por isso.

Aguardamos o seu mail caso tenha alguma dúvida de como funciona o nosso serviço: site@naprovence.com.

Tags:, , , , , , , , ,

3 Replies to “Mousse de alface, folhado de chocolate caramelizado e outras loucuras gustativas do restaurante Pierre Reboul.”

Veiga
31 julho 2010
França encanta pelas suas belezas quer monumentais quer naturais mas esoecialmente pela sua cozinha.
Responder
Mom
31 julho 2010
Oi Ana,

recentemente vi um filme com a Juliette Binoche e, em dois momentos, ela fala da cidade de Aix, só que, cada vez, com uma pronúncia diferente. Você que está aí, como é que se pronuncia? Éx ou Aix?
Grandes beijos,
Míriam
Responder
Ana Tereza Merger
9 agosto 2010
Oi Miriam, Aix é "agua" em latim e a pronuncia que mais se aproxima seria algo assim: "Ecxs". Se vc nao entender, me avisa que lhe passo meu telefone, ao vivo é sempre melhor. rsrsrs
Beijos!
Responder

Deixe um comentário

Nota: Os comentários no site refletem as opiniões de seus autores, e não necessariamente as opiniões do portal de internet NaProvence. Você deve abster-se de insultos, palavrões e expressões vulgares. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário sem aviso prévio ou explicações.

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são assinados com *