Tel: +33 44 226 4034 • Cel: +33 60 901 4797 • Fax: +33 44 227 2862 site@naprovence.com
Horário local: 07:16 hrs • Atendimento em horário comercial (das 9:00 às 17:00 hrs)

Agência de Viagem

 
Escolha uma Página

FAQ

Clima

Tenho uma semana de férias durante o Natal. A Provence seria um bom destino?

“Prezados, tenho a semana entre o Natal e o Reveillon e estou pensando passar esses dias na Provence. Vocês acham que eu e minha mulher ficaremos desapontados pelo clima tendo em vista que ano passado estivemos na Toscana no fim do verão? Preciso dessas informações para organizar minha viagem e com certeza contaria com os serviços de vocês. Atenciosamente, Alexandre.”

Bom dia Alexandre, tudo bem? A Toscana no verão é maravilhosa, assim como a Provence e os seus campos de lavanda. Mas viajar é um estado de espírito e podemos curtir o local apenas sabendo o que ele pode nos oferecer em determinada época. A Provence é uma região linda em qualquer estação, mas evidentemente você precisa estar preparado para aproveitá-la no inverno.

Incovenientes: 

– faz frio: pode parecer óbvio, mas isso implica em roupas adequadas e mala mais pesada,

– neve: apesar de rara a neve pode cair por aqui e complicar o trânsito nos últimos sete anos isso aconteceu uma vez). Aqui entre nós: adoro!

– os dias são mais curtos: escurece por volta das 17h30, nenhum drama para quem é do nordeste brasileiro, mas isso significa acordar cedo para aproveitar bem o dia,

– doenças: a diferença de clima entre o verão brasileiro e o inverno na Europa pode desencadear gripes, alergias e nessa época circula por aqui o virus cretino da gastro-enterite que provoca uma infecção intestinal. Nada grave, mas que pode atrapalhar as férias. Para a gripe aconselho tomar uns fortificantes antes de sair do Brasil e nada indica que vai ser premiado com a “gastrô”.

– horários: como os dias escurecem mais cedo, tudo fecha mais cedo (museus, por exemplo),

Vantagens: 

 frio mais ameno: temos a vantagem de estarmos no sul e o frio por aqui é mais suportável do que o do norte (pelo menos 5° a mais, em média),

 esqui: é a hora de aproveitar as estações da Provence,

– dias ensolarados: diferente de Paris, a Provence conta com 300 dias de sol por ano e isso aquece o inverno,

– sossegoa Provence é muito turistica, o movimento é intenso sempre, mas no inverno você tem os lugares quase com exclusividade para você, 

– preços: com a baixa estação tudo fica mais barato,

– gastronomiapot-au-feu, ensopados, sopas, quiejos…O objetivo é esquentar e a gente com bemmmm! À table!

– Natal: aproveitar as festas natalinas, com frio, mercadinhos típicos e pessoas elegantemente vestidas é um prazer.

Com o passar do tempo passei a gostar cada vez mais do outono e do inverno, para mim eles significam chocolate quente, edredons fofinhos, vinho curtindo o pôr do sol, dias mais caseiros, passeios em castelos (quem sabe nao queira ficar um fim de semana em um deles?) , o ar fresco da montanha com os seus chalés maravilhos e estaçoes de esqui, etc. Espero ter lhe ajudado. Boa sorte com a sua decisão e um grande abraço!

Neva muito na Provença durante o inverno?

Tenho uma reserva de hotel para o Ano Novo em Aix-en-Provence e tenho que ir de Roma para lá. Neva muito nessa época? Gostaria de ir de trem ou carro, ou uma mistura dos dois (de trem até Genova e depois carro). As estradas são transitáveis? Adorei  o blog é uma linha de comunicação muito legal.” Obrigada e abraços, Paula.

Oi Paula, para encontrar neve com frequência na Provença você vai ter que subir os Alpes de Haute-Provence, onde existem estações de esqui muito simpáticas como Pra-Loup, por exemplo. Neve no centro de Aix só vi duas vezes em sete anos e durante alguns dias. Não se preocupe com a neve por aqui. De Roma para Aix as estradas são ótimas e a paisagem da costa italiana com os seus recortes e cidades encravadas na montanha é muito bonita. Já fiz esse intinerário. Os únicos incovenientes: o trecho é longo e cansativo (mais de 800km), as muitas curvas e o entra e sai dos túneis podem ser desagradáveis para quem enjoa em carro.

Informações práticas sobre o intinerário Roma – Aix-en-Provence (dados Mappy):

Duração da viagem – 8h50,

Distancia – 869 km, onde 855 km são em auto-estrada,

Carburante – 109.69 € (70L)

Pedágio – 19,5 €.

Uma outra opção é o avião. A Air France lançou neste mês um vôo Roma-Marseille à partir de 50 euros a ida. A viagem dura menos de duas horas. Dá uma olhada para ver o que acha. Beijos e boa sorte!

“Ana, voce é um anjo! Me tirou um peso grande. Estava ficando meio preocupada. Mas com os seus conselhos sei que vamos fazer uma ótima viagem.Obrigada Paula Nicolli.”

Vir à Provença no inverno é uma boa ideia?

“Vou fazer uma viagem a dois, total romance e por força do trabalho, em pleno inverno. A nossa intenção é conhecer as cidades, caminhar, beber muito vinho, experimentar bons restaurantes, visitar mercados, pequenos bistrôs. Queremos hotéis românticos, pequenos, aconchegantes ou do  tipo zimmer, casa antiga de alguém especial. Você acha que esperamos pra ir depois ou no inverno seremos felizes? O seu blog é maravilhoso e se formos mesmo queria sua ajuda profissional em tudo! Obrigada e um beijo.” Márcia.

Oi Márcia, tudo bem? Se o seu objetivo é passar um Natal diferente para conhecer os mercados de fim de ano com as suas peculiaridades, o frio nessa época é mais ameno que em Paris, mas podemos passar vários dias a 0° (o que não é o caso deste ano, que tem um dos invernos mais doces das ultimas décadas). Neve? Raramente. Com certeza: os dias são mais curtos, museus e outros lugares funcionam em horários menos flexíveis e muitos restaurantes e lojas fecham mesmo. A vantagem: pouca gente nas ruas. Essa é uma decisão muito pessoal e depende dos seus interesses, mas se tivesse que lhe dar um conselho diria para vir no outono. Beijos e boa viagem para você!

Qual é a melhor estação do ano para se conhecer o sul da França?

Uma das perguntas mais frequentes que recebo também é a dúvida de uma amiga com quem tive o prazer de trabalhar na TV Justiça em Brasília. Claudia está começando a organizar uma viagem para conhecer o sul da França em 2010 e por isso ela gostaria de saber qual é a melhor época para visitar a região. A resposta que dei a ela também pode ser útil para outras pessoas interessadas na Provence-Alpes-Côte d’Azur. Depois de cinco anos morando em Aix posso dizer que começo a conhecer bem cada estação por aqui. Pessoalmente gosto muito da primavera, mas o meu coração bate mesmo é pelo outono, que considero extremamente agradável. Independente disso, vou tentar ser o mais neutra possível para lhe dar as vantagens e os inconvenientes de cada estação.

Primavera (do dia 20 de março ao dia 21 de junho de 2010): ainda muito próximos do inverno os primeiros dias da primavera são frios, curtos e quase sempre com muita chuva. Se vestir é uma tarefa ingrata e só para iniciados.Em maio o clima melhora e os dias ficam mais quentes, longos e ensolarados. Nessa época os festivais, as feiras e a vida nas cidades vão ficando mais intensos, os turistas aparecem, o banho de mar volta a ser uma opção de lazer,os jardins desabrocham em mil cores, as amendoeiras se cobrem de pequenas flores brancas e o jasmim-estrela perfuma casas e ruas. Mas se fizer questão de conhecer os famosos campos de lavanda compre a sua passagem para o fim da estação ou o começo do verão.

Verão (do dia 21 de junho ao dia 23 de setembro de 2010) : é onde o bicho e o calor pegam pesado. Os dias de sol ficam muito longos e a noite só chega depois das 21h30, o que é excelente para descobrir as paisagens da Provencesem pressa só de bermudas e Havaianas. Aliás, a mala-com-roupas-leves-quase-vazia-para-voltar-cheia-de-coisas-gostosas é uma das vantagens da estação. Afinal, todo brasileiro tem o que precisa para ser usado no verão europeu. Mas, infelizmente, existem três problemas para se curtir essa estação, os seus inúmeros festivais e as praias deliciosas da Côte d’Azur: o calor sufocante – o clima de Aix, por exemplo, lembra o de Brasília é quente e seco – com temperaturas que chegam ou passam dos 38°, os preços da alta-estação e a multidão de gente do mundo todo. Museus, lojas, monumentos, bares, cafés, praças, enfim, tudo, tudo, tudo mesmo fica lotado. Achar um lugar para estacionar, uma mesa em um restaurante, visitar uma exposição ou passear, vira, como dizemos por aqui, le parcours du combattant. A tradução é simples: você vai suar para fazer qualquer coisa. Por isso desaconselho o verão para quem gosta de calma e tranquilidade. Se além disso você também não é fã de saladas e comidas levespode desistir mesmo desta estação. Pratos quentes e pesados na França só combinam com o frio que volta devagarzinho no outono.

Outono : (do dia 23 de setembro ao dia 21 de dezembro de 2010) : muito menos badalada a estação não atrai muita gente, além disso ela chega de mansinho como quem não quer nada trazendo um ar fresco e temperaturas amenas(como na começo da primavera o termômetro fica em torno dos 17°/19°). Um casaquinho, jeans e meias quentes são suficientes para encarar a estação. O outono tem uma beleza diferente do colorido juvenil e explosivo da estação das flores. Já ouvi muitas vezes a mesma opinião sobre ele e da tristeza que desperta. O outono anuncia o fim do calor, da beleza e da luz, é verdade, mas convenhamos, a mensagem é “dita” com muita doçura. Talvez por isso o“caramelo” seja a cor preferida da estação. Mais claros ou escuros, dourados ou vermelhos, eles vão se espalhando pelas cidades, campos e vinhas onde começa a vendange, a colheita das uvas. O momento é o ideal para osadmiradores do vinho, não que o vinho novo seja o melhor que existe, mas o período é de festa e todas as cavesestão em efervecência (por volta do 15 novembro os novos vinhos chegam no comércio). Uma idéia simpática: conhecer a região tendo no roteiro os domaines ou châteaux produtores de vinhos. Depois, nos deliciamos com asmaçãs e todas as outras frutas amantes do frio. Comer volta a ser um prazer, respiramos melhor e ainda podemos aproveitar os dias em feiras e eventos. A animação se prolonga até o fim de outubro quando o dourado das folhasnão cobre mais as árvores, mas as estradas e ruas e o caminho fica aberto para os rigores do inverno.

Inverno (do dia 21 de dezembro de 2010 ao dia 20 de março de 2011) : sem dúvida nenhuma a estação à qual tive amaior dificuldade de adaptação. O inverno começa oficialmente em dezembro, mas os dias curtos (às 17h já é noite), a secura e as temperaturas baixas incomodam desde o começo de novembro. Roupas e sapatos pesados são obrigatórios, vitamina C, também. A diferença de temperatura entre o Brasil e a Europa já derrubaram vários amigos que vieram passar as férias por aqui nesse período. O frio não perdoa até mesmo os franceses que são bem adaptados ao clima. Aliás, o começo do inverno sempre gera uma preocupação extra com as crianças e os mais velhos, considerados mais frágeis. Para quem curte o frio a neve pode ser uma boa surpresa, isso se não for exagerada como neste ano quando 40cm cobriram toda a região bloqueando tudo (aeroportos, estradas) por dois dias. Os departamentos de Hautes-Alpes, Alpes-de-Haute-Provence e Alpes-Maritimes tem, juntos, 35 estações de esqui com pistas, dificuldades e preços bem variados. Preciso experimentar isso um dia… Voltando ao assunto, apesar de doloroso (quando o Mistral sopra forte o frio dói mesmo) e parado (a maioria dos museus e monumentos fecham parcialmente), a estação tem o seu charme, a sua poesia e cheiro de pinheiro cortado fresquinho para se transformar em árvore de Natal. Com a aproximação das festas a iluminação especial deixa as cidades coloridas, os mercados passam a funcionar, barraquinhas vendem churros (!) e maçãs do amor, carrosséis se instalam nas grandes avenidas e começa a procura pelo presente ideal. O calor do inverno é humano e enche as mesas de pratos que não lembram em nada a refinada cozinha francesa pela fartura e exuberância. Sopas, ensopados de carne, batatas, queijos e assados dividem as atenções com camarões na maionese, chocolate quente e muitas sobremesas.

Um último detalhe: a região mediterrânea conta com 300 dias de sol por ano, a mesma média de Natal, no Rio Grande do Norte. Ou seja, até no inverno o sol brilha por aqui. Não é um exagero?! Agora se esqueci de algum detalhe, ou se você tem uma opinião diferente, não se acanhe e deixe aqui o seu recado.

Cursos de Francês

Onde aprender francês em Marselha?

“Ficarei na casa de um grande amigo por 3 meses em Marselha. Vou como turista, mas gostaria de aproveitar este período para fazer um curso de francês. Gostaria de saber se você tem alguma indicação? Vi que tem uma Aliança Francesa na cidade, você acha que é a melhor opção? Ligia.”

Oi Lígia, a Aliança tem um método de ensino muito, muito, muito tradicional e como acho que três meses é pouco tempo para aprender a língua não acredito que essa seria a melhor opção. Claro que dependendo da sua disposição, você pode melhorar o seu nível em uma temporada na França, mesmo na Aliança. Mas lhe aconselho uma escola para estrangeiros, que além de lhe ajudar com as regras básicas de um jeito mais prático ainda vai lhe dar noções sobre a vida cotidiana. Para ir “afinando” o ouvido começe desde já a escutar músicas e a ouvir filmes em francês. Isso me ajudou muito, mas não se preocupe, se o seu objetivo é passar um tempo curtindo a Provence, passeando e conhecendo outras pessoas você vai aprender o francês naturalmente. Estou lhe mandando um link com algumas opções de curso para estrangeiros e uma outra página com a respectiva localização dos cursos em Marselha. Tente escolher uma escola que fique perto do bairro onde vai ficar para evitar os transtornos com ônibus e metrô.

Dirigir na França

Vou precisar de um GPS na Provença?

“Estou pensando em ir para Aix-en-Provence no período de 13 a 17 de março/2012. Como gostaria de conhecer caves e ir à Cannes preciso saber se o melhor é alugar um carro e se dirigir na região é facil, já que não falo francês, apenas inglês.” Obrigado, Frederico.

Oi Frederico, tudo bem? Vamos ver se posso lhe ajudar. Você vem em pleno inverno, está preparado para o frio? Aqui você encontra um circuito pela Côte d’Azur, não mencionamos Cannes por que achamos que existem outras cidades melhores por perto.  A Provença é uma região “fértil” em caves. Existem várias e para saber qual delas você vai visitar você precisa fechar o seu roteiro antes. Algumas das mais famosas ficam em Châteauneuf-le-Pape. Alugue um carro se quiser ficar mais à vontade. Aqui nesse link você econtra algumas dicas interessantes.  Com relação às placas e indicações esqueça o inglês, não vai lhe ajudar. Todas estão em francês. O que pode facilitar a sua vida é um GPS em português. Pense em trazer um. Um abraço e boa viagem!


Devo ou não alugar um carro para conhecer a Provence? Quem responde é o Ricardo Freire.

“Estarei fazendo em breve a minha primeira viagem ao exterior. Pensei em ir de trem de Paris até Aix, pois gostaria muito de conhecer Nîmes antes de explorar o litoral, mas seria uma boa idéia alugar um carro para percorrer a região?”André.Oi André, venha de trem para a Provence, a não ser que encontre preços melhores nos vôos entre Paris e Marselha. Quanto a sua segunda pergunta vou responder usando um trecho de um texto – excelente – de Ricardo Freire do Viaje na Viagem com quem concordo plenamente no que se refere ao sul da França : “deixe para alugar o carro naqueles dias que você separar para explorar a Toscana, a Provence e a Côte d’Azur, Portugal (até Compostela), a Andaluzia, a Estrada Romântica alemã, a Sicília, a Costa Amalfitana, o vale do Loire, a Região dos Lagos italiana. Em vez de dormir um dia em cada lugar, divida a viagem em duas ou três bases, e perca-se pelos arredores.” O texto na íntegra que responde à pergunta “Europa: avião, trem ou carro?” Você lê aqui.

Para dirigir na França é indispensável ter carteira de habilitação internacional?

“Estamos pensando em alugar um carro em Aix, mas temos uma dúvida. Uma amiga nossa que esteve na França no mês passado, dirigiu o tempo todo só com a carteira brasileira. Você acha indispensável ter carteira de habilitação internacional? Como esse documento custa cerca de R$ 400,00 esse valor pode pesar nas despesas da viagem. Vanderlisa.”

Vanderlisa, fui buscar a sua resposta junto ao Consulado-Geral do Brasil em Paris. Segundo o Consulado a Carteira de Habilitação brasileira é aceita pelas autoridades francesas quando acompanhada de uma tradução juramentada em dois casos : quando se trata de brasileiros não residentes (turistas) e para os titulares de “carte de séjour” com menção “estudante”. Ainda de acordo com o site oficial as autoridades francesas poderão exigir uma “Certidão de Prontuário de CNH”, devidamente traduzida, emitida pelo DETRAN correspondente.

Estudar na França

Achar hospedagem na França para estudantes é simples?

Paris em primeiro lugar, seguida pela região de Ile-de-France (arredores da capital), Nice e Aix-en-ProvenceA lista não tem nada a ver com o turismo, mas com as cidades mais caras em relação ao preço do aluguel cobrado para estudantes na França. É o que indica uma pesquisa publicada pelo site location-etudiant.fr que verificou pelo quarto ano consecutivo os valores do aluguel de um studio, T1 e “duas peças” praticado por particulares e agências imobiliárias. 506 euros é a média do aluguel de uma kitinete (studio) em Aix-en-Provence, em 2010 esse valor era de 484, ou seja, um aumento de 4,55%.

Veja aqui os valores divulgados e boa sorte para encontrar o seu:

T1/Studio

Os aluguéis para estudantes aumentaram em quase todas as cidades francesas (2,35%). As cinco cidades mais caras são: Paris (648 euros), Ile-de-France (566 euros), Nice (535 euros) e Aix-en-Provence/Lyon (506 euros).

T2

Se Aix faz parte do pelotão de cidades mais caras, ela registra uma baixa no preço do duas peças (-0,83%) em relação à 2010: Paris (998 euros), Ile-de-France (886 euros), Nice (721 euros), Aix-en-Provence e Lille (719 euros).

Quais são as universidades de Aix-en-Provence e Marselha?

Tenho recebido alguns e-mails com a mesma pergunta: quais as universidades mais próximas de Aix-en-Provence? Se você faz parte deste grupo e também está pensando em fazer um mestrado ou doutorado no sul da França, anote as faculdades que você vai encontrar no campus Aixois. Este campus é constituído de três universidadesque foram divididas entre Aix-en-Provence e Marselha, ou seja, dependendo do curso que você quer fazer será em uma ou outra cidade.

Université de Provence (Aix-Marseille I): letras, história, geografia e línguas. 29, avenue Robert Schuman, Aix-en-Provence – 04 42 95 32 23,

Université de la Méditerranée (Aix-Marseille II): ciências econômicas e informática.
14, avenue Jules Ferry, Aix-en-Provence – 04 42 21 59 87 e 413, avenue Gaston Berger, Aix-en-Provence – 04 42 93 90 00,

Université Paul Cézanne (Aix-Marseille III), onde fica a Faculté de Droit, d’Economie et de Sciences e o IAE – Escola Superior de Administração : 3, avenue Robert Schuman, Aix-en-Provence – 04 42 17 27 18.

Vale lembrar que as datas do ano letivo por aqui são diferentes do Brasil. O semestre começa em setembro ou outubro e termina em junho ou julho, depende da universidade escolhida. As férias de verão duram dois meses e vão de julho ao começo de setembro. Caso o seu interesse seja em outra área veja mais algumas possibilidades:

Conservatoire National des Arts et Métiers,
Ecole Nationale des Ingénieurs des Arts et Métiers,
Institute for American Universities,
Institut Universitaire de Technologie,
Sciences Economiques,
Institut d’Etudes Politiques – IEP.

Há algum tempo estudo francês e agora gostaria de fazer um curso de direito em alguma faculdade francesa. Como proceder?

Sou advogado e, há tempos estudo francês. Gostaria de fazer um curso de direito em alguma faculdade francesa. Como proceder ? Vc tem informações sobre preços, processo seletivo, etc? Luis.

Para começar você tem que escolher a faculdade. Em Aix, nos temos uma das melhores do país, a Faculté de Droit et de Science Politique d’Aix-Marseille, Unité de Formation et de Recherche, que faz parte da Université d’Aix-Marseille III (Université Paul Cézanne), uma preciocidade que completou 600 anos (!) em 2009. Depois que escolher onde quer estudar, você vai poder verificar pessoalmente todas essas informações. Aliás, esse é um ótimo teste para quem quer fazer uma especialização por aqui : se não for capaz de entender o site, ainda não está na hora de acompanhar um curso de alto nível em francês. O que posso lhe adiantar é que, em média, um mestrado custa cerca de 300€ por ano, depedendo da faculdade escolhida, mas o que pesa no orçamento é a moradia. Conte 1000€ por mês se quiser ficar em um apartamento mobiliado, correto, com um quarto e no centro de Aix-en-Provence, por exemplo. Claro que pode encontrar algo mais barato, só nao pode ser muito exigente nesse caso. Nesse site você vai encontrar dicas sobre bolsas e moradia estudantis. Obviamente, você vai precisar de um visto de estudante, com o seguro-saúde pago, um comprovante de que está matriculado e que pagou a universidade e um lugar para ficar, além de todos os documentos (diploma, inclusive) traduzidos por tradutor oficial. Veja nesse texto as etapas para obter o meu diploma em Communication Institutionnel International, no IEP. Post atualizado e melhorado com o incentivo do comentário da Ana. Obrigada.

Gastronomia

Onde fazer um curso de cozinha na Provença?

Eu e minha mulher estamos planejando ir para a Provença em meados de junho (a minha esposa vai participar do festival de Cannes de Publicidade e a gente vai tirar uns 15 dias antes para curtir merecidas férias. Não conheço o Luberon, onde gostaria de ficar e de fazer um curso rápido de gastronomia. Alguma dica de pousada e cursos? Sérgio.

Oi Sérgio,  esse festival é badaladíssimo, ela vai adorar. Mas se puder venha à Provence depois da agitação da Côte. Passar um tempo por aqui vai ser realmente revigorante (os campos de lavanda vão estar floridos no período). Como sugestão de hotel no Luberon veja o Castel Luberon. Abaixo lhe envio uma série de opções de cursos de culinária, nem todos ficam no Luberon, mas como deve alugar um carro, isso não vai ser problema :

– La Bastide de Messine ,

– La villa des Chefs,

– Provence Guide,

– Domaine de Capelongue.

Lavanda

É possível ver algum campo de lavanda em maio?

Não é possível ver um campo de lavanda florido em maio simplesmente porque este arbusto flore entre o fim de junho e agosto. Em julho começa a colheita das flores para a preparação dos óleos essenciais que vão dar origem ao conhecido perfume. Doce e leve nos lembra roupa limpa e passada esperando sair da gaveta e isso acontece por uma boa razão: a lavanda tem propriedades antisépticas, bactericidas, desinfetantes, calmantes e antiespamódicas. Se você tem alguma dúvida sobre esse odor é só pensar na alfazema, nome da lavanda em português. Engraçado como a mesma planta traçou caminhos tão diferentes. Se no Brasil ela não é levada muito à sério e é usada como base em perfumes relativamente baratos na Provence ela tem outro status. A lavanda se adaptou tão bem ao clima e ao solo calcário do sul da França que se tornou uma das forças da região. Hoje, mais de 8.400 hectares são dedicados à plantação da lavanda e 2.350 ao lavandin (que rende muito mais do que a lavanda tradicional, mas que tem um perfume inferior). Normalmente a colheita pode ir até setembro edepois de dois ou três dias de secagem as flores são levadas à destilaria equipada de um alambique clássico. A essência de lavanda é reservada aos perfumes finos e aos cosméticos, já o lavandin perfuma os sabões, os amaciantes e os produtos de limpeza. As flores de lavanda também podem ser usadas secas em sachês e ursos de pelúcia como esses que vemos nas fotos tiradas nos mercados das praças de Aix-en-Provence. Para quem quer levar para casa outro tipo de lembrança o ideal é passear pelos magníficos campos de lavanda no planalto do Vancluse, no departamento de la Drôme, do Gard e ao norte de Nîmes.

Posso ver a festa da lavanda e a vendanges no mesmo momento?

Oi Ana, estou planejando uma viagem de 20 dias na França. Pretendo passar em torno de 15 dias viajando pela Provence, entre os meses de agosto e setembro. Gostaria muito de conhecer uma das famosas feiras provençais, ou mesmo festivais como o da colheita dos vinhedos e os que celebram as lindas e perfumadas lavandas. Estou encontrando certa dificuldade em pesquisar calendário de eventos e feiras. Pode me auxiliar nesse tema?” Fabiene.

Fabiene, você encontra o que procura no nosso site. Publiquei vários post sobre os mercados da Provença e os campos de lavanda. Para achá-los duas opções: o FAQ onde você vai encontrar as respostas às perguntas mais frequentes e o “busque” onde basta digitar “lavanda” ou “mercados”. Em um dos textos, por exemplo, dei o link para esse site onde você encontra todos os mercados que são realizados na região. O que lhe aconselho é começar a sua viagem pelo site onde você vai encontrar mais de 400 textos sobre a Provença. Caso não ache o que está procurando é só me avisar. Um detalhe importante: vai ser impossível ver o festival de lavanda e o da colheita dos vinhos a não ser que fique três meses por aqui. Você vai ter que escolher entre as lavandas floridas e a colheita dos vinhos (vendanges): o primeiro evento acontece em julho em Valensole e o outro entre o último dia do verão, 23 de setembro, e o fim de outubro (a data varia de acordo com a localidade do vinhedo). Espero ter ajudado e que a sua viagem seja um sucesso!

Dúvidas sobre lavanda e girassóis.

“Olá Ana! Conheci seu site nas minhas pesquisas para a montagem do meu roteiro de férias na França. Estou planejando uma curta temporada na Provence de cerca de 15 dias, mais ou menos entre 04 e 19 de agosto de 2012, com minha esposa e um casal de amigos. Gostaria muito de ver os campos de lavanda, mas pelo que consegui pesquisar o ponto alto da lavanda é entre final de junho e final de julho. Será que existe alguma chance de conseguir ver algum deles na primeira semana de agosto? Nem que seja no primeiro dia de viagem? Gostaria de ver também os (um pouco menos famosos) campos de girassóis, mas sobre esses não consegui encontrar informações sobre a melhor época para apreciá-los, nem mesmo a localização dos melhores campos. Outra dúvida que tenho é quanto aos mercados da região. Existe algum site onde eu possa obter as informações sobre dias, horários e locais? A mesma pergunta fica também para os festivais, festas e eventos locais. Soube que existe o Festival da Lavanda (ou seria Festa?) mas não consegui encontrar informações sobre o mesmo. Outro tema que nos interessa é a Idade Média, então se houver algum evento com a temática medieval na região nesse período, adoraríamos poder conferir de perto. Se puder ajudar, ficarei muito grato. Um abraço, Bruno.” 

Boa noite Bruno, tudo bem? Vamos ver se posso ajudá-lo, respostas em negrito:

“Conheci seu site nas minhas pesquisas para a montagem do meu roteiro de férias na França. Estou planejando uma curta temporada na Provence de cerca de 15 dias, mais ou menos entre 04 e 19 de agosto de 2012, com minha esposa e um casal de amigos.”

Quinze dias é um tempo muito bom. Você vai ter tempo de fazer a Provence e até, se quiser, dar um pulinho na Côte d’Azur. Na Provence fique em Aix e não deixe de conhecer o Luberon, Les-Baux, Arles, Avignon e se tiver tempo a Camargue (Aigues-Mortes). Na Côte, fique em Nice e visite Eze, Saint-Paul e Saint-Cap-Ferrat. 

“Gostaria muito de ver os campos de lavanda, mas pelo que consegui pesquisar o ponto alto da lavanda é entre final de junho e final de julho. Será que existe alguma chance de conseguir ver algum deles na primeira semana de agosto? Nem que seja no primeiro dia de viagem?”

Os campos ficam floridos por apenas três semanas e a floração depende do sol e da chuva. Quanto menos chuva mais cedo as lavandas florem, quanto mais chuva mais tarde é a floração. No ano passado, os campos estavam começando a florir no fim de maio, mas no começo de agosto ainda havia alguns floridos (um pouco mais longe de Aix). Lhe aconselho a ficar de olho no blog. Normalmente publico textos com as datas e os campos onde ocorrem as florações. 

“Gostaria de ver também os (um pouco menos famosos) campos de girassóis, mas sobre esses não consegui encontrar informações sobre a melhor época para apreciá-los, nem mesmo a localização dos melhores campos.”

Aqui o problema vai ser maior. Os campos de girassóis são alternados com outras culturas dependendo do ano. No ano passado eles estavam lindo espalhados por margens de várias estradas. No ano anterior isso não aconteceu. Ou seja, espero que tenha sorte de vê-los.

“Outra dúvida que tenho é quanto aos mercados da região. Existe algum site onde eu possa obter as informações sobre dias, horários e locais?”

Aqui nesse texto você encontra o que procura.  Nesse outro texto você acha outras dicas que podem lhe ajudar a criar um roteiro com esse tema.

“A mesma pergunta fica também para os festivais, festas e eventos locais. Soube que existe o Festival da Lavanda (ou seria Festa?) mas não consegui encontrar informações sobre o mesmo.” 

Nesse post as informações sobre a Festa da Lavanda. 

“Outro tema que nos interessa é a Idade Média, então se houver algum evento com a temática medieval na região nesse período, adoraríamos poder conferir de perto.”

Uma boa parte da Provença é medieval (Gordes, por exemplo). Você vai se deliciar se gosta do período. Visite Les-Baux-de-Provence onde são feitos espetáculos nas ruínas do castelo.

Espero ter ajudado e caso precise dos nossos serviços para hospedagem ou passeios é so entrar em contato. Um grande abraço!

  

 

 

Luberon

Como chegar em Cucuron?

“Oi Ana! Quero muito conhecer Cucuron, mas como não petendo alugar um carro estava pensando em conhecer tudo de ônibus ou de trem. É possível chegar em Cucuron de uma maneira ou de outra? Qual é o preço para uma pessoa fazer um tour com vocês por um dia? Obrigada mais uma vez.” Cristina.

Oi Cristina, tudo bem? Da uma olhada nesse site, acho que encontra todas as dicas sobre Cucuron. Nunca fui até la de trem ou de ônibus, mas a possibilidade existe: você pega um trem em Aix e vai até Pertuis, de Pertuis pega um táxi para Cucuron como explica o site do Office de Tourisme da cidade. Nessa tabela você encontra os valores dos nossos passeios por grupo (eles devem ser divididos pela quantidade de pessoas que integram cada grupo). Como vem sozinha lhe aconselho a deixar um recadinho no nosso FORUM quem sabe outros leitores estejam por aqui na mesma época e com eles você forme um grupo? Lhe desejo boa sorte!

Mercados

Existe algum site que mostre onde ficam e quando acontecem os mercados na Provence?

Esse site responde a essa pergunta. Basta clicar no balãozinho para ver os links dos eventos que podem lhe interessar Provence, Alpes e Côte d’Azur. Acho que esse link pode ajudar muita gente que pretende organizar a viagem pelo sul da França seguindo os famosos mercados da região.  Um conselho: um pouquinho de paciência, o site demora a carregar.

Como faço para conhecer os legumes e frutas de cada estação na França?

Com a tendência a sermos consumidores mais conscientes e ligados ao problema do aquecimento global passamos a comprar mais os produtos ecológicos que invadiram as prateleiras e são cada vez mais comuns seja na feirinha do bairro ou nos grandes supermercados. Mas se ainda não podemos comprar todos os produtos com o selo de qualidade “bio”, a maioria ainda é bem mais cara do que os ditos “normais”, um hábito francês pode ajudar na missão de tentar salvar o planeta: consumir os produtos da estação. Ou seja, em vez de comprar o que vem do outro lado do mundo de avião ou de navio e muitas vezes não amadurece como deveria, perdendo gosto e nutrientes na viagem, os franceses preferem os legumes e as frutas que são da região ou que são produzidos por aqui no bom período. Consumindo esses produtos você marca um ponto com os pequenos produtores e com o seu paladar que agradace legumes de primeira e frutas bem madurinhas. Os legumes de julho, por exemplo, são: alho, alcachofra, beringela, beterraba, brócolis, cenoura, repolho, couve-flor, abobrinha, céleri, céleri branche, espinafre, fenouil, feijão, alface, milho, navet, cebola, cebolinha branca, pois mange-tout, pimentão, batata, abóbora, pâtisson, rabanete, rabanete longo e ervilha. E entre as frutas deste mês encontramos: abricot, airelle, abacaxi, abacate, banana, cassis, cereja, limão, morango, framboesa, maracujá, groselha, kiwi, litchi, manga, melão, myrtille, mûre, nectarine, mamão papaia, melancia, ameixa, pêssego, quetsche, tomate e fraise des bois.

Passeios e Excursões

A Provença é um lugar “baby friendly”?

“Anatê, tudo bem? Me desculpe pelo incômodo, mas revirei blogs tentando chegar a uma conclusão, e não consegui! Resolvi recorrer a você, que mora na Provença e, pelo que vi no seu blog, tem filhos pequenos. Sonho em conhecer a Provença, mas devo viajar em julho e minha filha, na data da possível viagem, terá apenas 11 meses. Queria saber se você acha que a Provence é um lugar “baby friendly”, se minha filha será bem-vinda nos restaurantes, se é possivel andar com carrinho pelos vilarejos, se é possível encontrar bons hotéis que aceitem criancas (ou se seria melhor alugar uma casa), se a Provence fica insuportavelmente cheia em julho, ou se é melhor eu desistir dessa ideia e procurar um lugar mais adequado para bebês (como qualquer capital européia). Me desculpe pelas perguntas tão pessoais, mas eu não consegui achar nada nas minhas buscas pela internet que pudesse me ajudar… Muito obrigada!” Cintia.

Oi Cintia, tudo bem? Em julho a Provença fica cheia mesmo e o que lhe aconselho é reservar com antecedência se quiser obter um bom lugar por aqui (pelo menos três meses antes). No período é realizado um festival de ópera e Aix-en-Provence fica lotada. Também faz muito calor. Quanto ao bebê não vejo nenhum problema. Algumas cidades têm o acesso mais complicado por que são medievais e têm muitas ladeiras, como Gordes, ou escadaria como Les-Baux, por exemplo. Se ela entrar em um porta-bebê vai ser melhor do que o carrinho, se não, é só ter braço! A vantagem é que vai poder visitar os campos de lavanda floridos! Não aconselho o hotel. Vai ter dificuldade para esquentar mamadeira e os potinhos. O melhor é ficar em uma casa de hóspedes ou em um apartamento em Aix-en-Provence (a cidade mais central e indicada como “base”). Aqui você encontra algumas dicas interessantes. Alguns restaurantes também não têm cadeiras de bebê, mas normalmente deixava as crianças no carrinho. Se precisar de mais alguma coisa vamos estar por aqui. Um abraço! Obrigada pela visita e até breve.

Estou sozinha. Quais passeios posso fazer?

“Vi o seu nome num blog. Chego amanhã em Aix-en-Provence e gostaria de saber se conheceria algum guia que possa me acompanhar visitando a região, preferencialmente em português, inglês ou espanhol, pois não falo nada em francês e estou viajando sozinha. Além de passear em Aix, gostaria de ir à Avignon, Arles e Gordes.” Valéria.

Oi Valeria, seja bem-vinda à Aix! E não se preocupe, você vai estar em uma das mais belas cidades da Provence, com mercadinhos fofos e muita coisa para ver e fazer. No meu site você deve ter lido todas as dicas necessárias para passar alguns dias bem legais por aqui, quanto aos passeios o que posso lhe sugerir são os do Office de Tourisme (no bairro das Allées Provençales, em frente à fonte Rotonde). Nesse link você verifica os dias, os temas e os preços dos passeios (os guias falam francês e inglês). Os passeios personalizados com guia/motorista que fala português que a nossa empresa oferece são feitos à partir de duas pessoas.

Praias do Mediterrâneo

Chegou o verão! Onde ficam as praias mais próximas de Aix-en-Provence?

Praia do Rouet – Carry : praia de areia e seixos com 300m de comprimento, é a mais próxima de Aix-en-Provence (cerca de 33min).
Praias do Prado – Marseille : a praia do Prado é coberta de seixos e pedrinhas, tem 280 metros, espaços com grama, bares, restaurantes e jogos para as crianças. Chegue cedo ou vai ter dor de cabeça com o estacionamento (cerca de 35min).
Praias da Ciotat – La Ciotat : a praia dos Capucins e a praia da Lumière são feitas de areia e ficam à este do porto da Ciotat. Praias para a família (cerca de 39min).
Praias de la CouronneMartigues : as praias do Verdon, de Carro e da Couronne Vieille são praias de areia. Elas ficam em cidades menos conhecidas do litoral e por isso mesmo são mais tranquilas (cerca de 40min).
Praia do Grand Large – Cassis : praia de areia, seixos e pedrinhas. Fica ao pé da colina do castelo, em frente ao porto, no coração da cidade, que é uma gracinha. Vale a visita (cerca de 40min).
Praia de St-Cyr-les-Lecques : uma praia em declive, ideal para aproveitar um banho de mar em segurança com toda a família (cerca de 42min).
Praia de Sainte Croix – Martigues : praia de areia com apenas 100 m por 40 m. Apesar de pequena e superlotada no verão, ela tem uma bela vista e locais interessantes a serem visitados como a capela da Sainte-Croix (cerca de 46min).
Conselho: leve uma esteira ou algo confortável para cobrir as tais pedrinhas e seixos, eles não são a coisa mais agradável do mundo para se passar horas sentado. Se puder, leve uma sombrinha, essas praias são públicas e não têm a mesma infra das praias privadas. Também é bom preparar o espírito para ver top-less de todo tipo e de toda idade e fazer de conta que você está acostumado com isso.

Provença

Carcassonne fica na Provença?

“Eu e minha esposa estamos planejando viajar à França entre os meses de maio e junho de 2012. O meu destino será Paris e a região da Provence. Pretendemos ficar uns 15 dias, sendo 6 em Paris e o restante na sul do país. Porém não sabemos exatamente como aproveitar esse período na região. Gostaríamos de conhecer Carcassonne, que não parece ser exatamente na Provence. Você tem algum roteiro para essa quantidade de dias? Geralmente vocês formam grupos pra dividir o preço do transporte? Fico aguardando. Um abraço, José.”

Você tem razão José Carcassonne não fica na Provença, mas no Languedoc. Aqui você encontra um texto sobre essa magnífica cidade medieval que você pode conhecer fazendo um roteiro pela Camargue (Aigues-Mortes, Saintes-Maries-de-la-Mer) e vindo até Aix-en-Provence passando por Avignon, Arles e Saint-Rémy. Guarde um dia para aproveitar os mercados de Aix e um outro dia para visitar os campos de lavanda de Valensole. Se tiver tempo não deixe de visitar o Luberon. Quanto à formação de um grupo, veja o que esse post está propondo.  Aqui, uma sugestão de uma bela casa de hóspedes em Aix. Ficamos à disposição caso precise de mais alguma coisa. Um abraço!

Qual é a melhor “base” na Provence? Quem responde é a jornalista Rachel Verano do blog Viajar Bem e Barato.

“Quem me deu a dica pela primeira vez foi o escritor inglês Peter Mayle, numa entrevista sobre como aproveitar ao máximo a Provence. Ele foi simples e certeiro: “escolha uma base, alugue um carro e planeje uma série de viagens”. Trata-se, de fato, da melhor maneira de conhecer a região. Agora, a escolha da base pode ser uma coisa complexa: vilinha de cem habitantes ou cidade maior? Campo ou cidade? Montanha ou vila medieval?Eu voto de cara na cidade que eu considero uma das mais lindas do mundo: Aix-en-Provence. Por quê?

1) Porque Aix está mais bem localizada impossível. Em outras palavras: 20 minutinhos de Marseille, meia hora de dezenas de vilas encantadoras, 40 minutos de Avignon e dos vinhedos de Chateneuf-du-Pape, pouco mais de uma hora de St.-Tropezou Cannes, na Côte D’Azur, duas horas de Nice, Mônaco e da fronteira da Itália.

2) Porque, com quase 150 mil habitantes, é uma grande pequena cidade. Em outras palavras: tem ares de cidade pequena, mas tudo que uma cidade grande tem de melhor (cinemas, Fnac, bons mercados, boas lojas…).

3) Porque é possível ficar tanto no centro histórico, charmosíssimo, quanto em casas nos arredores, onde a sensação é a de estar imersa no campo a mil anos luz de distância da civilização.

4) Porque há feira de rua três vezes por semana: terça, quinta e sábado.

5) Porque é a cidade de Cézanne, e é possível seguir os passos do pintor por toda parte, além de visitar seu ateliê e ver de perto as paisagens pintadas por ele.

6) Porque a cidade fica aos pés da montanha de Sainte-Victoire, a musa inspiradora de Cézanne, linda e imponente, ótima para passeios de bike pelos seus arredores.

7) Porque a Coeurs Mirabeau é uma das ruas mais lindas do planeta, e está ladeada de cafés super charmosos que vivem cheios de gente de bem com a vida, tomando o seu rosezinho de cada dia.

8 ) Porque a cidade é servida pelo TGVe, querendo, Paris está a um pulinho (três horas de distância).

9) Porque é a capital mundial dos calissons, aqueles docinhos delicadíssimos feitos com amêndoa.

10) Porque o aeroporto de Marseille (Marignane), na verdade, fica a meio caminho entre Aix e Marseille (ou seja, do lado), e recebe vôos (inclusive de low-costs) de dezenas e dezenas de cidades européias.”

Texto de Rachel Verano, do blog Viajar Bem e Barato.

Acelerado ou devagar, qual é o ritmo da Provença? O que você precisa saber para entender como você deve aproveitar cada minuto na Provence.

Para responder à questão do meu amigo Sérgio Moriconi, cineasta responsável pelo Festival Slow Filme – Festival Internacional de Cinema e Alimentação em Pirinópolis, fiz um texto com algumas observações às quais você deve prestar atenção quando estiver visitando a Provence para poder aproveitar cada momento como se deve. Leia com atenção e você mesmo vai tirar as suas conclusões sobre o ritmo da região, um passo importante antes de preparar a mala.

Para começar, nunca chegue antes das 10h da manhã no centro de Aix-en-Provence, tudo vai estar fechado com exceção dos cafés e bares que servem o petit-déjeneur. Se marcar um encontro com alguém, não estranhe o provável atraso. Chegar – pelo menos cinco minutos depois do horário combinado – é quase de praxe, o que irrita profundamente o meu sogro, que é do norte da França, tido como muito mais pontual. Atraso que não deve ser levando em conta na hora de pegar um ônibus, trens e aviões, normalmente eles são sempre pontualíssimos, isso se não houver nenhuma greve ou problema ligado à meteorologia (lembra do vulcão da Islândia?). Também não tenha pressa para sair da mesa quando for convidado para almoçar na casa de alguém. Almoços no domingo ou em dias de festa podem durar a tarde toda chegando sem cerimônia à hora do jantar. Já o intervalo para o almoço durante os dias da semana é curto, mas é sagrado: francês senta e come com calma e quase sempre com uma taça de vinho, principalmente os mais velhos. Se depois do almoço decidiu ver um filme, nada de correria, você vai ter tempo para comprar a pipoca e muito mais. Antes do filme começar, uma cortina com diversos espaços publicitários passa um bom momento em frente à tela, ela sai, começam os traillers e ….a cortina volta para mais uma pausa. Cool faça sol ou chuva! Por falar nelas: as estações são muito bem definidas, o ritmo de cada uma delas é mais ainda e eles são respeitados. Não tente cuidar do jardim no inverno quando as plantas estão hibernando, não insista em convidar os amigos para fazer um churrasco em pleno outono, arrumar a garagem se faz durante a primavera e no verão pensamos na praia. E se nada disso for possível neste ano, quem sabe no próximo? Tomar um café em um restaurante do Cours Mirabeau para fazer uma pausa, ler o jornal do dia, um romance ou simplesmente ver a vida passar é um dos hábitos mais corriqueiros e, aqui entre nós, mais gostosos seja no verão ou no inverno e em seis anos vivendo por aqui nunca ouvi a frase “estou com pressa” no trabalho ou fora dele.

Para mim, a Provence é slow, devagar. Lugar onde temos tempo para aproveitar o tempo e tudo o que ele pode nos proporcionar, doucement. A Provence não tem pressa, mas nem por isso é atrasada ou desinformada. Econômicamente, a região – formada pela Provence, Alpes Côte d’Azur (PACA) – é a terceira mais rica e populosa da França (elas são 22). Ou seja, os negócios acontecem e  o dinheiro circula. Mas tenho a impressão que o tudo é feito a seu tempo, sem forçar a barra, com o mínimo de estresse possível, enquanto aproveitamos mais um dia de sol.

Qual é a diferença entre Provença e Provence-Alpes-Côte d’Azur? Cidade, região ou estado?

“Oi, eu gostaria de saber qual a diferença entre Provença e Provence-Alpes-Côte d’Azur. A primeira é uma “cidade”? E a outra seria um “estado”? Obrigada desde já. O seu blog é muito útil pra mim, já que eu sonho em saber sobre a Provença e ir pra lá, mas o Google não ajuda.” Isabella.
 
Aproveitando a pergunta da Isabella vou tentar explicar qual é esta diferença, mas já vou adiantando que não vai ser muito simples por que a divisão do Estado Francês é um verdadeiro quebra-cabeças. Para começar Provença é apenas a tradução para o português do nome da denominação geográfica de um antigo condado que em 1481 se tornou uma “province royale française“, a Provence. Até aí, nenhum problema. A coisa começa a ficar confusa em 1961 quando 21 circunscrições de ação regional (eu avisei que ia complicar!) foram criadas pelo Estado Francês em uma iniciativa de desentralização. Estava criada a região da Provence-Alpes-Côte d’Azur, que nessa época também incluía a Córsega (a ilha se tornou uma região “independente” apenas em 1970). Resumindo: a Provence – unida aos Alpes e à Côte d’Azur, dois outros territórios fronteiriços – nada mais é do que uma região administrativa do sudeste francês. Essa região que engloba os três territorios é sub-dividida em seis departamentos: o Bouches-du-Rhône, o Var, o Vaucluse, os Alpes-Maritimes, os Hautes-Alpes e os Alpes de Haute-Provence. A região que também é conhecida como PACA – primeiras letras do nome de cada território – faz fronteira com a Itália de quem é separada pelos Alpes meridionais. Ao norte, a PACA é vizinha da região Rhône-Alpes, à oeste do Languedoc-Roussillon e ao sul ela é banhada pelo mar Mediterrâneo. A população de 4,8 milhões de habitantes da Provence-Alpes-Côte d’Azur ocupa uma superfície de 31.400Km2 que é considerada uma das mais bonitas do “Hexágono” (apelido dado à França em alusão à forma do país que lembra a figura geométrica de seis lados), com zonas de montanha (4.102m na Barre des Ecrins nos Hautes-Alpes), praias, campos e até mangue! Com relação ao clima, a região foi presenteada com dois excelentes: o mediterrâneo e o de montanha. O mediterrâneo se caracteriza por muitos dias de sol (300 por ano na Provence!), um verão muito seco e dias irregulares de chuva durante todo o ano, já os moradores da montanha não têm do que reclamar das precipitações abundantes. Em comparação ao campo, as temperaturas na montanha têm, em média, seis graus a menos à partir de 1000m de altidude. Traduzindo: para quem gosta de frio e neve a região conta com 68 estacões de esportes de inverno e centros de ski. Os fãs da natureza também vão encontrar o que fazer por aqui nos 3 parques nacionais, nos 5 parques regionais e nas muitas reservas naturais. Mil e oitocentos edifícios são classificados como monumentos históricos e os inúmeros festivais animam a primavera e o verão (Aix, Orange, Avignon, Juan-les-Pins, Cannes…). Ou seja, administrativamente a PACA é uma coisa só, mas a geografia, a cultura e a identidade de cada território são únicas, por isso a Riviera Francesa ou Côte d’Azur, como queira, é famosa pelas praias, pelos iates, pela agitação, pela elegância dos seus frequentadores e pelas estrelas que passaram e ainda passam por lá. E do mesmo jeito que os Alpes se tornaram uma visita obrigatória para os apaixonados pela montanha, esse cantinho do sul da França conhecido como Provence virou sinônimo de beleza, de luz, de mestres como Cézanne, Van Gogh, Matisse e Picasso que pintaram por aqui, de campos de lavanda, de uma culinária saudável e de um jeito delicioso de viver a vida bem d-e-v-a-g-a-r-z-i-n-h-o por que por aqui até o tempo faz questão de não ter pressa.

Região Provence-Alpes-Côte-d’Azur :
Superfície – 31 443 km2
População – 4 781 000 habitantes (janeiro de 2006)
Cidades mais importantes – Marselha, Digne, Gap, Nice, Toulon e Avignon
Densidade – 143,5 hab/km²
População ativa – 1 892 000 habitantes
PIB regional – 105,826 milhões de euros (7 % do PIB nacional)
Indústrias – química, construção naval, armamento
Agricultura – vinho, frutas, legumes, flores e plantas.

Roteiros

Para lhe ajudar na preparação do seu roteiro confira as distancias entre Aix-en-Provence e algumas cidades francesas.

Entre ParisAix-en-Provence : 641 km,

Entre MarseilleAix-en-Provence : 26 km,

Entre LyonAix-en-Provence : 253 km,

Entre ToulouseAix-en-Provence : 323 km,

Entre NiceAix-en-Provence : 148 km,

Entre NantesAix-en-Provence : 686 km,

Entre StrasbourgAix-en-Provence : 590 km,

Entre MontpellierAix-en-Provence : 127 km,

Entre BordeauxAix-en-Provence : 504 km,

Entre LilleAix-en-Provence : 811 km,

Entre RennesAix-en-Provence : 751 km,

Entre ReimsAix-en-Provence : 648 km,

Entre Le HavreAix-en-Provence : 778 km,

Entre Saint-ÉtienneAix-en-Provence : 228 km,

Entre ToulonAix-en-Provence : 60 km,

Entre GrenobleAix-en-Provence : 186 km,

Entre AngersAix-en-Provence : 641 km,

Entre DijonAix-en-Provence : 424 km,

Entre BrestAix-en-Provence : 939 km,

Entre Le MansAix-en-Provence : 643 km,

Entre Nîmes et Aix-en-Provence : 94 km

Entre Clermont-FerrandAix-en-Provence : 313 km,

Entre ToursAix-en-Provence : 568 km,

Entre AmiensAix-en-Provence : 748 km,

Entre LimogesAix-en-Provence : 419 km,

Entre Saint-TropezAix-en-Provence: 101 km.

O que fazer em três dias no sul da França?

«Moro em Salvador na Bahia e vou à França no início de setembro com o meu marido, e depois do que li no seu blog, resolvi adicionar a bela região onde você mora no meu programa. A questão é: tenho apenas 3 dias, o que você indicaria como roteiro, ou seja, o que é imperdível no sul da França?» Fernanda.

 Fernanda, em três dias não é possível conhecer nem a metade da região, mesmo começando os passeios muito cedo. No começo de setembro ainda estamos no verão, mas os dias vão ficando mais curtos à medida que o outono se aproxima, por isso pensei em duas opções: a Provence ou a Côte d’Azur.

Três dias na Provence:
– primeiro dia – Marselha : Vieux Port, visita ao Château d’If (lembra do conde de Monte Cristo?! Foi inspirado nessa ilhazinha que fica no meio do porto), almoço em um dos restaurantes de uma das ilhas próximas, Igreja de Notre Dame de la Garde, corniche e o centro da cidade. O passeio continua por Cassis e as calaques,
– segundo dia – Arles (arenas romanas) ou Avignon (Cité du Pape) ou Aix-en-Provence,
– terceiro dia – LuberonRoussillon, Gordes e Lourmarin,

Três dias na Côte d’Azur:
– primeiro dia: Nice e Mônaco,
– segundo dia: Cannes e Saint-Paul-de-Vence,
– terceiro dia : Saint-Tropez e as praias próximas,

Dependendo do roteiro que vai escolher, saia de Paris de trem e venha para Marselha ou Nice. Voilà!

Como organizar uma viagem usando como tema os mercados da Provence?

“Estamos pensando em visitar a Provence em outubro e eu adoro feiras. Gostaria de saber se você pode me informar sobre os dias que acontecem as feiras nas cidades da Provence. Deve ser uma delícia morar por ai!? “Nara.

Nara, a Provence é uma região linda mesmo e as feirinhas são um grande barato. Dá uma olhada nos dias de feira em Aix-en-Provence, por exemplo. Estou lhe mandando alguns sites onde você pode encontrar um calendário com todas as datas dos mercados e feiras na Provence. Mas não se preocupe, independente da data da sua viagem, você sempre vai dar de cara com algum mercado, feira, brocante, vide granier, etc. : La route des marchés de Provence, Les marchés de Provence, Marchés de la Provence-Alpes-Côte d’Azur, Les marchés du Luberon, Fotos dos mercados da Provence.

Trabalhar na França

Seria fácil encontrar um emprego na França hoje ?

Gecodia é um site de economia francesa e mundial, foi lá que fui buscar as informações para responder a essa pergunta dos leitores interessados em se mudar para a França. Segundo o Gecodia, desde janeiro deste ano 120 400 pessoas perderam o emprego na França. Em  agosto o número de desempregados chegava a 3,986 milhões. Nos últimos três meses o desemprego por aqui apenas se estabilizou depois de um mês de setembro muito ruim. Ainda de acordo com o site a situação é critica com 37,2 % dos desempregados ainda sem encontrar nenhuma nova possibilidade um ano depois de perder o emprego. Em média, o tempo que se fica esperando por um novo emprego é de 438 dias e o número de pessoas que estão sem trabalhar há dois anos aumenta em 25% por ano.

Não quero desanimar ninguém, mas antes de fazer as malas teria alguns cuidados:

–         aprederia a falar a língua corretamente, o que aumenta as chances de arrumar um emprego. Todas as pessoas que conheço que não dominam o francês se tornaram dona-de-casa ou trabalham como doméstica ou pedreiro. Falar a língua aumentaria as possibilidades em outras áreas,

–         faria uma pesquisa séria e consistente junto aos orgãos oficiais para conhecer melhor o país onde gostaria de viver,

–         colocaria toda a papelada em ordem para obter um visa legal de estudo ou de trabalho,

–         visitaria blogs de outros brasileiros que estão no local para obter  informações mais pessoais e práticas,

–       antes de me mudar definitivamente faria um teste, como, por exemplo, um ano de estudo para verificar se poderia ou não encontrar um emprego facilmente.

Vou estudar na França. Poderei trabalhar?

Desde 9 de Julho de 1998 o estudante estrangeiro pode trabalhar legalmente na França à partir do primeiro ano de estudo e no decorrer do curso escolhido, em qualquer que seja o nível de formação. Os estudantes estrangeiros que pretendem prosseguir seus estudos na França devem obter um visto específico que os autorize a permanecer no país. Em geral trata-se de um visto de longa permanência com a menção de estudante. Contudo, para que possam trabalhar além do visto é necessária uma APT (Autorização Provisória de Trabalho). O próprio estudante é quem deve montar seu dossiê de solicitação de APT pois não há um formulário específico e encaminhá-lo à Direção Departamental do Trabalho e do Emprego e da Formação Profissional. É importante destacar que o estagiário, qualquer que seja sua nacionalidade, não necessita de APT, apenas da autorização de permanência nos seguintes casos: estágio previsto no curso, estágio que seja objeto de uma convenção entre o estabelecimento, a empresa e o estudante, ou se forem respeitadas as condições requeridas pela convenção. A atividade assalariada do estudante estrangeiro não deve pôr em risco a sua condição pedagógica. Por isso o contrato de trabalho deve ser em tempo parcial limitado, no máximo, a meio período. O trabalho integral é possível desde que não ultrapasse três meses consecutivos.

Mais informações sobre como os estudantes estrangeiros podem trabalhar na França podem ser encontradas no www.cendotec.org.br.

Translados

Como sair do aeroporto e chegar em Aix-en-Provence?

O aeroporto de Marseille-Provence ou MP (o MP2 recebe vôos low-cost) fica à mesma distancia de Aix-en-Provence e Marselha: 30Km.

Para sair do aeroporto e fazer o trajeto até Aix você tem duas opções: o ônibus ou o táxi. A navette – como chamamos esse ônibus por aqui – sai do aeroporto todos os dias a cada 30 minutos sempre na hora cheia e na meia hora (12h ou 12h30, por exemplo). Para pegar este ônibus basta ir ao ponto dos táxis. Os dois estão localizados na mesma passarela. O ônibus vai até a estação rodoviária que fica no centro da cidade na avenue des Belges (a menos de dez minutos a pé da Rotonda – maior ponto de referência da cidade), o trajeto dura 30 minutos e custa 7€*. Para fazer o sentido inverso, ou seja, pegar a navette para o aeroporto basta ir até a estação rodoviária de onde o ônibus sai – de novo na avenue des Belges – toda meia-hora, mas sempre a cada 10 e 40 minutos (12h10 ou 12h40, por exemplo). O preço do bilhete é o mesmo : 7€.

Por razões evidentes o táxi sai mais caro : durante a semana o trajeto custa cerca de 50 euros e no domingo não sai por menos de 60. Você pode nos contactar para contratar antecipadamente o serviço de translado do “Na Provence“.  O preço é quase o mesmo, com a vantagem de fazer a viagem com um motorista que fala português, e que eventualmente, tem mais flexibilidade que um táxi normal.

Os preços citados aqui podem ter sofrido alguma alteração depois da publicação do post.

Transportes na Provence

Posso conhecer toda a Provença de trem?

“Eu e meu marido estamos planejando em maio uma viagem para Barcelona, Côte d’Azur e Provença. Gostaríamos de fazer tudo de trem. Você acha isso possível?” Obrigada, Aline.

Oi Aline, tudo bem? Respondendo a sua pergunta: sim e não. Você não vai ter nenhum problema entre as cidades maiores (Marselha, Aix, Nice, Avignon, etc), mas as menores, como as do Luberon, por exemplo, só indo de carro. A vantagem é que descobrimos cidades pitorescas onde os trens não passam. Acabei de publicar um texto sobre a mudança nos horários dos trens à partir do dia 11 de dezembro 2011, fique ligada nissoAix-en-Provence é a cidade mais central e a base mais indicada (veja por que no FAQ). Já fiz Aix-Barcelona de carro e valeu muito a pena (procure por Barcelona no blog e vai achar um roteiro, algumas dicas e até um apartamento muito interessante perto de uma parque). Espero ter ajudado e quando voltar, se puder, me mande alguma sugestão ou informação com fotos, adoro publicar a opinião dos leitores sobre a viagem que fizeram. Beijos e boa viagem.

Veja como chegar em Aix-en-Provence de avião, de carro ou de trem.

Para sair de Aix-en-Provence e ir até Marselha não tem nenhum mistério. Basta ir até o fim da Avenue des Belges – sentido contrário à fonte La Rotonda – no centro da cidade e pegar uma navette.  São 230 viagens por dia, das 5h45 até às 23h50, com um ônibus que sai a cada cinco minutos da estação nos horários de maior movimento. O ônibus deixa você na Gare Saint-Charles no centro de Marselha. O bilhete custa 5€. Um detalhe : não espere encontrar um prédio, a estação de Aix ainda não foi construída e esse local parece uma grande parada de ônibus.

Estou em Aix-en-Provence e quero visitar Marselha. Existe um ônibus que faz essa linha?

Para sair de Aix-en-Provence e ir até Marselha não tem nenhum mistério. Basta ir até o fim da Avenue des Belges – sentido contrário à fonte La Rotonda – no centro da cidade e pegar uma navette.  São 230 viagens por dia, das 5h45 até às 23h50, com um ônibus que sai a cada cinco minutos da estação nos horários de maior movimento. O ônibus deixa você na Gare Saint-Charles no centro de Marselha. O bilhete custa 5€. Um detalhe : não espere encontrar um prédio, a estação de Aix ainda não foi construída e esse local parece uma grande parada de ônibus.

Posso conhecer Avignon e Arles saindo de Aix-en-Provence de trem?

São duas as possibilidades. A primeira é o TER, trem regional que liga Aix à Marselha. A estação de Aix-en-Provence – aberta de segunda à sexta das 04h40 às 00h10 e aos sabados, domingos e em dia de festa das 05h30 às 00h10 – fica no centro de Aix-en-Provence (Place Victor Hugo), o que facilita a vida, o incoveniente : uma conexão em Marselha. A viagem dura 2h18 se você pegar o trem das 7h51. Se sair mais tarde, às 8h51, por exemplo, você vai levar 4h42 para chegar ao seu destino.

A segunda possibilidade é o TGV. Do centro de Aix você pode pegar um ônibus (3,50€) para a estação, que fica a cerca de 20 minutos da cidade. A vantagem é que a viagem é direta e dura apenas 41 minutos. De Avignon para Arles não tem mistério, existem vários trens que fazem esse trajeto, que dura aproximadamente 17 minutos. O bilhete custa 6,70€ no TER e 8,60€ no TGV. Para voltar para Aix, depois de um longo dia de passeio, aconselho pegar o TGV: a viagem dura cerca de 40 minutos. Atenção ao trem das 20h09, nesse, a volta para casa leva 2h10.

Viver na França

Vou me aposentar e pretendo passar um tempo na Provence. Por onde começo?

“A minha dúvida se refere a morar no exterior. Estou perto de me aposentar e tenho o desejo mudar de vida. Tenho preferência por alguns locais mas a Provença é a mais forte candidata. A idéia inicial é a de comprar um imóvel. Primeiramente, gostaria de saber se é possível morar na França legalmente sem trabalhar (contando apenas com as minhas posses e a minha aposentadoria) e quais seriam as exigências. Existem restrições quanto ao uso do sistema de saúde? E com relação ao fisco, quais seriam as conseqüências? Existe acordo para evitar a bi-tributação (pagamento de impostos na França e no Brasil)? Talvez você não tenha respostas para todas as perguntas, mas agradeço desde já quaisquer informações ou indicações a respeito.” Um abraço, Marcelo.

Oi Marcelo, tudo bem? A Provença é mesmo uma excelente opção. Vivemos muito bem aqui, mas o que posso lhe adiantar é que as exigências para obter um visto são muitas: morar no mínimo cinco anos em território francês, ter um diploma francês, casamento com francês de no mínimo quatro anos, são algumas dependendo do caso. Obter um visa permamente na França é complicado. O jeito mais simples de passar uma temporada por aqui é como estudante. Para isso seria necessário apenas se inscrever em uma escola de línguas, por exemplo. Esse visto tem duração de um ano e pode ser renovado. Para trabalhar a coisa fica mais difícil. Como vai vir aposentado, acho que essa pode ser a melhor solução, até para ver se é isso mesmo que quer. O metro quadrado em Aix é um dos mais caros do país: entre 4000 e 11000 euros. Ou seja, um pequeno apartamento de 20m2 no centro pode custar 120 mil euros. O aluguel desse mesmo imóvel seria de, em média, 500 euros por mês. Tenho um casal de amigos que fez exatamente o que você está querendo. Eles são aposentados e se mudaram para Aix. Como você está pensando, eles compraram um apartamento e ficam por aqui mais da metade do ano. Se não me engano os dois têm nacionalidade européia, o que facilitou muito essa transferência. Quanto às perguntas envolvendo impostos elas são muito técnicas, e honestamente, você deve falar com o Consulado Francês na cidade onde mora ou enviar uma carta à Brasilia, a embaixada brasileira talvez possa lhe ajudar. Não quero lhe dar informações errôneas e precisaria de um tempo enorme para realizar essa pesquisa.  Fico torcendo para que o seu projeto seja um sucesso. Um grande abraço!